domingo, maio 31, 2009

Campeões (2)

Foto: ASF

Na sequência do anterior "post" sobre o assunto, realce ainda para mais vitórias de outros portugueses: Hugo Almeida, na Taça da Alemanha, José Romão, campeão em Marrocos, Bosingwa, Quaresma, Deco, Ricardo Carvalho e Hilário do Chelsea, vencedores da Taça de Inglaterra e a dobradinha de Pedro Mendes na Escócia. Parabéns a todos.

Pauleta e o adeus




Vou estar hoje no Parque dos Princípes a convite de Pauleta e do PSG, naquela que será a sua despedida oficial deste clube. Irão estar presentes alguns dos seus melhores amigos e para mim, ter sido convidado, é uma enorme honra que jamais esquecerei. Foi pena que no Dragão, em 28 de Março, não tivessemos proporcionado a Pauleta uma homenagem mais abrangente, juntando à sua volta a maioria dos seus colegas e amigos da Selecção Nacional. Foi a festa possível. No entanto, na minha opinião, o melhor marcador de sempre da Selecção Nacional merecia mais. Fica para a próxima Pauleta!

sábado, maio 30, 2009

Luis Figo - Fim de Carreira



Cari Amici dell'Inter,
domani, 31 maggio 2009, sarà la mia ultima domenica da calciatore. Insieme con gli amici dello Sporting Lisbona, del Barcellona, del Real Madrid e della nazionale portoghese voglio ringraziare tutti voi, tifosi nerazzurri, che mi avete dimostrato affetto sin dal primo giorno a Milano.
Mi fa molto piacere che l'ultima domenica da calciatore sia, per me e per tutti noi dell'Inter, una domenica di festa per il successo del quarto scudetto consecutivo.
Vincere è sempre stato l'unico vero obiettivo della mia carriera. Vincere tutto quello che potevo vincere, dalle partitelle in allenamento ai campionati, dalle coppe ai trofei personali. E per arrivare a vincere ho conosciuto una sola strada, quella del sacrificio e del lavoro. Me lo hanno insegnato quando ero ragazzino allo Sporting e tutto quello che ho ottenuto non è mai arrivato per caso, ma dopo tanti sacrifici.
Per questo motivo, oggi, voglio anche chiedere scusa se in qualche partita o in qualche periodo, per colpa di un infortunio o di altro, non sono riuscito a dare il massimo. Il primo a essere dispiaciuto ero io, perché non riuscivo a dare a tutti voi quello per il quale avevo lavorato.
Quando sono arrivato a Milano, l'Inter era una squadra che stava imparando a vincere. Di strada ne abbiamo fatta tanta insieme e per questo voglio ringraziare il presidente Moratti, gli allenatori, tutti i compagni, tutte le persone del club che ho conosciuto e con le quali ho lavorato. Se sono stato bene a Milano il merito è loro.
Il calcio mi ha dato tanto, ma soprattutto mi ha regalato la possibilità di conoscere persone meravigliose, amici che resteranno per sempre, e in questo gruppo il presidente Moratti e chi ho conosciuto qui, nell'ambiente nerazzurro, avranno un posto speciale. Come tutti voi, cari tifosi.
Non avere mai avuto un problema con un solo mio compagno di squadra è il trofeo più bello della mia carriera.
A tutti gli interisti, un abbraccio sincero e la convinzione che l'Inter continuerà a lavorare per vincere sempre di più.
Con affetto,
Luis Figo




O mais completo e extraordinário jogador e profissional que conheci na minha vida ao serviço da Selecção Nacional, vai terminar a sua carreira. É um pouco de mim que também parte. Estive em todos os jogos que Luís Figo realizou ao serviço da equipa das quinas, e foram cento e vinte e sete, não contando com a formação, e por isso sei do que falo. Fica-me uma pequena dor pela ausência de alguém que consiga transportar a chama da liderança que ele protagonizou e abandonou em 2006. Não houve passagem de testemunho e disso se reflectem os resultados da Selecção Nacional. Se alguém gostava daquela camisola vermelha com as quinas ao peito era Luís Figo. Talvez ele um dia possa contribuir para uma mudança que é inevitável acontecer.


Ao pequeno universo português que nunca foi unânime no reconhecimento das suas qualidades, talvez devido a nunca se ter vendido ao facilitismo, se calhar pouco diz o fim da sua carreira. Os seus amigos da Selecção Nacional, os que estão e os que já sairam, que sabem e conhecem o que vale como Homem e Jogador, sentir-se-ão como eu, bem tristes pela sua partida, mas ao mesmo tempo confortados por termos vivido o melhor período de sempre da Selecção Nacional. Obrigado Luís!




Comparar o Incomparável


Moncho Lopes, Treinador de Basquetebol, no jornal "O Jogo" de ontem, e respondendo à pergunta - O que falta a Portugal para chegar a esse nível - da Espanha - e ser também uma potência no desporto? disse o seguinte: "Não é fácil ser uma potência e atingir um nível elevado no desporto mundial num país com poucos habitantes. Já constatei que em Portugal há bons técnicos, boas instalações desportivas, mas talvez falte um maior investimento no desporto, especialmente por parte do sector privado, ou seja das empresas. É evidente que em Espanha há dinheiros públicos, mas muito mais ainda de empresas".

É um espanhol a dizer isto. Se fosse um de nós cairia o Carmo e a Trindade! Concordo plenamente. Acrescento eu, como exemplo e verificando os recentes confrontos Portugal/Inglaterra, em 2000, 2004 e 2006 que vencemos, relembro que só Londres tem doze milhões de habitantes. O nosso País tem dez milhões. Pela lei das estatísticas diria: Milagres é o que é!

Surf

Este blog pretende não ser só dedicado ao futebol. É maioritariamente de futebol, mas irei aos poucos, abordando outros desportos e sobretudo realçar aspectos importantes de alguns deles. Poderia falar do basquetebol, desporto que pratiquei oficialmente, e das pequenas histórias que a minha amiga Helena Oliveira me enviou ou das relações de amizade que mantive/mantenho, embora não nos falemos há bastante tempo, com o actual Director Técnico, Prof. Manuel Fernandes, mas surpreendido que fiquei pela beleza de imagens de surf, será por esta modalidade que começo juntando a foto abaixo. Ah! Já me esquecia que o Luís Figo, após deixar de jogar, o que julgo ir acontecer neste fim-de-semana, pretende vir a surfar!






Tubular ... shining
Clark Little/SWNSsurf

Clark Little. Dedicou a sua vida a fotografar ondas e publicou uma selecção das melhores imagens da sua carreira. Ele capta momentos mágicos dentro do "tubo", como dizem os surfistas.
Colaboração de Brigida Silva

Estágio e Convocatória


Terminou o estágio da Selecção e quase em simultaneo foi anunciada a convocatória para os jogos com a Albânia e Estónia. Se em relação ao primeiro os trabalhos decorreram normalmente, em relação á convocatória ganhou realce a chamada de Luís Boa Morte, o que não acontecia desde 2006. Este jogador, a exemplo de Pauleta, nunca jogou na Liga portuguesa, tendo-se destacado em Inglaterra, nomeadamente ao serviço do Arsenal, Fulham e actualmente no West Ham. Em 1 de Janeiro 2005 assisti a um jogo Fulham/Crystal Palace, e tive a oportunidade de constatar como era querido pelos adeptos do seu clube. Nessa altura falava-se com insistência na sua contratação pelo Newcastle e à saída do estádio, após o jogo, uma pequena multidão esperava-o na tentativa de o convencer a ficar em Craven Cottage. Ficou, talvez porque o coração, na altura da decisão, tenha falado mais alto. Viria a sair mais tarde, mantendo-se no entanto em Londres, assinando pelo West Ham. Na Selecção Nacional, por uma razão ou outra, nunca terá sido muito feliz. Talvez, quem sabe, ainda vá a tempo. Merecia que isso acontecesse!

sexta-feira, maio 29, 2009

Força Brassard

Quando alguém se refere à final do mundial sub/20, realizada em Lisboa, em 1991, vem à baila Rui Costa, e o último penaltie que nos deu a vitória. Ninguém se lembra é que momentos antes, Fernando Brassard, defendeu o penaltie de Marquinho, tendo com essa defesa condicionado o que se seguiria. Neste momento díficil por que passa Brassard, anexo o vídeo de toda a série no sentido de lhe dar um pouco de força e coragem. Naqueles momentos finais, depois de mês e meio de estágio e de seis jogos, estávamos todos numa tensão enorme, impossível de descrever. O mais frio e calculista de todos chamava-se Brassard. Finalmente e como curiosidade, revelo que esta foi a primeira vez que vi a totalidade destas imagens, dezoito anos depois!



video

Arte e Futebol (3)

Francisco Rebolo - 1936

quinta-feira, maio 28, 2009

Adepto, Torcedor, Sofredor




"O torcedor é um bicho raro e absolutamente indispensável. Ele consolida a rivalidade, promove a crença, entre os mais novos, guarda a tradição e, por fim, carrega o campeonato nas costas. Sem a rivalidade não teríamos mais campeonato. Não estou me referindo aos que gostam dos seus clubes, não me refiro a nada racional, estou falando de torcedor que por definição é o cara que acredita no que não existe, dá razão a quem não tem, agride os factos e, por fim, morre um pouco a cada derrota do seu time para reviver ainda mais crente na próxima vitória"



Fernando Menezes

In: A Bola de hoje, na Crónica de Duda Guennes "Meu Brasil brasileiro"

Campeões


Tantos portugueses campeões por esse mundo fora. Afinal há crise no nosso futebol mas não deixam de existir alguns nossos compatriotas que no exterior do País, continuam a lutar e a mostrar que somos tão bons como os melhores, sem receio de afirmá-lo:


José Mourinho, Rui Faria, Silvino, André Vilas-Boas, Luís Figo, Cristiano Ronaldo, Nani, Manuel José, Pedro Mendes, Ricardo Costa, etc, etc.

Pedro Mendes - Glasgow Rangers

Guardiola


Aí está o "Chefe" da nova geração de treinadores. Depois de tantos nomes de vanguarda a liderar o futebol europeu, eis que surge de levezinho, um jovem de 38 anos, chamado Joseph Guardiola. Jogava, e bem, ainda há pouco tempo. Depois de uma experiência na equipa B do Barcelona, passou para a equipa principal e no seu primeiro ano ganhou tudo o que havia para ganhar. Afinal é ou não importante ter-se experiência? Parece-me que sim, mas neste caso, confirma-se mais uma vez, que não há regra sem excepção. Suceder a Alex Ferguson é uma tremenda honra. Guardiola tem acima de tudo carácter e personalidade e não necessitou de pisar, nem agredir ninguém, para atingir o "céu" no futebol. Foi companheiro de Luís Figo e encontra-se entre os seus maiores amigos, tendo jogado em Portugal, pelo menos uma vez que me lembre, num dos jogos "All Stars" da Fundação Luís Figo. Recordo desta Champions a imagem de Guardiola pondo o braço sobre Guus Hiddink, enquanto decorria o célebre jogo Chelsea/Barcelona. Não me lembro de alguma vez ter assistido a tal durante um jogo de futebol.

quarta-feira, maio 27, 2009

Estágio da Selecção Nacional


Iniciou-se o estágio da Selecção Nacional. Foi bom rever amigos que por circunstâncias naturais do futebol, andavam afastados da Selecção Nacional há algum tempo, casos de Moreira - desde o Euro 2004 que não o via pessoalmente - Helder Postiga, desde o Euro 08 e Luís Boa Morte, desde Setembro 2006, embora com este último tivesse falado algumas vezes neste longo período de ausência. Anote-se o facto de alguns destes vinte e três jogadores presentes serem ainda pouco conhecidos, de tal forma que passaram pelo meio do batalhão de jornalistas presentes no hotel, sem serem reconhecidos...Sinais dos tempos!

Campeões Nacionais, Campeão da Vida


O FC Porto foi a melhor equipa da Liga Portuguesa. Em todos os seus aspectos, desportivos, organizativos, de carácter e de humildade, foi de facto a equipa que mais se notabilizou. Encarou a competição como deve ser encarada, como uma maratona. Não foi campeão de Inverno, Primavera ou Verão, foi campeão da Liga quando esta terminou. Homenageio a equipa, não através de Jesualdo Ferreira ou dos seus jogadores, mas através dum homem simples e discreto que tem lutado e muito, por valores muito superiores a um campeonato. Refiro-me ao José Mário Almeida, com quem trabalhei na FPF durante cerca de dez anos e que merece este post pela dignidade do seu comportamento e pela sua atitude perante a vida. Parabéns Zé Mário.










História(3)

JOGOS OLÍMPICOS DE AMSTERDÃO








Autêntica epopeia, amor à camisola e ao desporto, poderíamos resumir assim a nossa participação nos Jogos Olímpicos de 1928. Ficam aqui como homenagem os nomes desses heróis e os resultados obtidos:


27.05.1928 - Chile 2 / Portugal 4

29.05.1928 - Jugoslávia 1 / Portugal 2

04.06.1928 - Egipto 2 / Portugal 1



Roquete (Casa Pia AC), Jorge Vieira (Sporting CP), Raul Figueiredo (SL Benfica), Augusto Silva (CF "Os Belenenses"), César de Matos (CF "Os Belenenses"), Carlos Alves (Atlético CP), Vitor Silva (SL Benfica), Armando Martins (Vitória FC), Waldemar Mota (FC Porto), Pepe (CF "Os Belenenses"), José Manuel Martins (Sporting CP) e João dos Santos (Vitória FC)
Seleccionador Nacional: Cândido Oliveira






terça-feira, maio 26, 2009

Champions

FC Barcelona - Messi
ou
Manchester United - Ronaldo
Embora com outras camisolas vestidas! Um grande jogo é o que se deseja!
Autor: Rui Duarte
www.sergeicartoons.com/



Silvino por José Mourinho

"O Silvino vai acabar no futebol quando o futebol acabar para mim; trabalhará comigo até ao meu último dia no futebol"




José Mourinho, in "A Bola"




Silvino tem um passado importante como jogador da Selecção Nacional. Foi internacional por trinta e duas ocasiões, vinte e três das quais na Selecção Nacional "AA". Mais tarde pertenceu aos quadros técnicos da FPF, no Euro 2000 e no Mundial 2002. As palavras de José Mourinho vieram lembrar-me a forma como Silvino foi chamado pela última vez à Selecção Nacional, era Seleccionador Artur Jorge. Recebi um telefonema de Guimarães informando-me que Neno tinha sofrido um acidente insólito num treino do clube, tendo ficado com os dentes presos na rede da baliza e fracturado o maxilar, impedindo-o dessa forma, de se apresentar na convocatória para a última fase da qualificação do mundial de 98. Informei Artur Jorge pelo telefone do que tinha acontecido, e logo ali, perante a necessidade urgente de nova convocatória, este fez uma análise aos guarda-redes disponíveis na I Divisão que tivessem alguma experiência, ressaltando o nome de Silvino que jogava no...SC Salgueiros. Consegui contactá-lo imediatamente e foi com enorme surpresa mas também com a sua habitual boa disposição e sonora gargalhada que me disse "Estás a convocar o velho? Não acredito!" . Claro que acreditou e apresentou-se, salvo erro, três dias depois, no estágio da Selecção Nacional. A convocatória seria para o jogo com a Alemanha, o tal do Batta. Artur Jorge, antes do treino oficial, no Estádio Olímpico, juntou os jogadores e informou-os sobre quem iria jogar de início, começando naturalmente pelo nº 1 e por Silvino. Surpresa enorme e tremenda decepção para Rui Correia que vinha sendo o titular. Para mim, esta decisão não foi estranha, dado que Artur Jorge, perante o enorme poder da Alemanha, optou pela experiência, e bem, diga-se em abono da verdade, dado que Silvino esteve à altura do grande desafio que teve pela frente. Jogou ainda com a Irlanda do Norte, no Estádio da Luz, despedida como jogador das Selecções para si e para Portugal do Mundial de 1998.








Formação (4)


Campeões da Europa Sub/16 - 2000

segunda-feira, maio 25, 2009

Torneio de Lisboa


Foto: www.fpf.pt



Apresentado o 15º Torneio de Lisboa, Sub/18. Decorrerá no Estádio do Inatel, e será também a despedida de Carlos Dinis, como Técnico Nacional, depois de vários anos ao serviço da FPF.


27.05.2009 Quarta-feira
16h00 - Finlândia - EUA (Estádio 1º Maio, Inatel)
18h00 - Portugal - Alemanha (Estádio 1º Maio, Inatel)


28.05.2009 Quinta-feira
16h00 - EUA - Alemanha (Estádio 1º Maio, Inatel)
18h00 - Portugal - Finlândia (Estádio 1º Maio, Inatel)


30.05.2009 Sábado
09h30 - Alemanha - Finlândia (Estádio 1º Maio, Inatel)
11h30 - Portugal - EUA (Estádio 1º Maio, Inatel)





O dia dos 10/0


Em 25 de Maio de 1947, Portugal recebeu a Inglaterra, no Estádio Nacional. Sem se esperar, apesar do valor dos ingleses, perdemos por 10/0. Foi a maior derrota de sempre da Selecção Nacional, e por esse motivo, tem sido comentada, ao longo destes anos, por diversos historiadores nacionais. O que aqui transcrevo a seguir é a versão dos ingleses, na escrita de um dos intervenientes no jogo, George Hardwick, 1920/2004, conhecido por Gentleman George, capitão dos ingleses nessa partida. Conheci este simpático Senhor, no Estádio Nacional, quando integrando um grupo de participantes nesse jogo, visitou o local de tão estrondosa vitória. Ofereceu-me o livro de que transcrevo algumas linhas da parte referente ao jogo. Curiosas são as análises que o próprio faz acerca do estádio e das condições que lhes foram proporcionadas. Outros tempos.
De referir que as questões envolventes a este jogo, por parte dos portugueses, foram de tal modo graves que segundo alguns, até a PIDE meteu. Finalmente e porque estão em discussão as actuais condições do Estádio Nacional, a meu ver com toda a razão, talvez fosse tempo de fazer alguma coisa por aquele monumento. Porque é disso que se trata, de um monumento, não de um estádio funcional.




"In his 13 appearances for England, he took the team to 10 victories, two draws and only one defeat. That defeat (1-0, away to Switzerland) brought furious criticism from the press, and the omens for the next match - against Portugal - were not good. "They were the kings of Europe at the time," Hardwick recalled. "As we were going down the tunnel at the start of the match, I turned round to our team and said, 'Now let's make those bastards up there eat every word they've printed'." England won 10-0."



"I was looking forward to the game because the inside information which I have received from neutral observers was that the Portuguese were potentially one of the best teams in Europe at that time. And, in viewof our mediocre results Switzerland, the game had taken on a much greater significance.
We were based for the match in the salubrious coastal resort of Estoril, with its grand houses, finely manicured gardens and famous casino, which of course we frequented. Most of us had never seen such sumptuous surroundings.
The day of the game was an extraordinary experience. The match was played in Lisbon's impressive new white marble, horse-shoe shaped, 70.000 capacity stadium. It was breathtaking. The green baize of a a pitch was made from perfect English turf imported from Cumberland, and my experience was only rivalled by Wembley in its quality.
The highly polished stone dressing rooms were the most modern and ostentatious I'd ever changed in. It was a fabulous place. Every player had his own individual locker and shower cubicle, which certainly was a vast improvement on the unhygienic, communal, muddy bathwather we all had to share in the depths of an English winter. Each of us had a personal bathrobe and a pair of sandals to wear while we were walking round the changing rooms. For some of the lads it was the height of decadence and they paraded up and down like Arab sheiks. The facilities resembled those you would expected to find in a five star hotel rather than a football ground, and it really put the standard of antiquated changing accommodation at English grounds to shame."
"...In fact their humiliated players were so ashamed and embarrased by the result that they failed to attend the formal evening banquet. It was a decision for which they were later suspended by their FA. At the time, however, we didn't mind because the early finish of the formal proceedings gave us more time to sample the delights of the portuguese nightlife. I'm glad to report that we found it very much to our liking."
In: "Gentleman George" - Autobiography of George Hardwick


domingo, maio 24, 2009

Clubes, História e Tradição




Aqui há uns dias coloquei um post sobre a decadência de alguns clubes, particularmente sobre o FC Barreirense que acabou por descer aos distritais. Ontem e hoje, para as divisões inferiores, desceram o CF "Os Belenenses" e o Boavista FC, os únicos emblemas, com excepção dos chamados grandes, que venceram o CN da I Divisão. Não questiono a qualidade dos que subiram, mas quando a crise chega a estes clubes o que não acontecerá aos mais fracos?


Também ontem, assisti à manifestação dos jogadores do Rio Maior reclamando por salários em atraso. Existem por todo o País situações idênticas envolvendo outros meios de protesto ou somente o silêncio e o abandono. Como se nada se passasse, na melhor das harmonias, discute-se mudanças dos quadros competitivos, licenciamentos, etc., defendendo cada um, sobretudo, a sua árvore, o seu quintal. Parece-me no entanto que a situação é de pré-desastre e a floresta que é de todos, corre sério risco de desaparecer, podendo esse espaço vir a tornar-se num grande deserto. De ideias já é. De clubes, tradição, desenvolvimento e organização poderá sê-lo em breve. É tempo de reflexão e não será mais a Selecção Nacional e o FC Porto a esconderem a realidade. Porque se o segundo ainda tem meios e organização para lutar ao mais alto nível, a primeira já reflecte sérios problemas. Se houver uma base estreita a pirâmide não vai crescer ao nível do passado. Basta olhar para os rankings internacionais para verificar as descidas das nossas equipas.

Futebol Informal




No passado fim-de-semana estive presente na entrega de prémios da Taça Coca-Cola, zona de Lisboa, que decorreu no Estádio Nacional e que envolveu mais de 2.000 jovens de ambos os sexos. O futebol base em Portugal, na sua maioria, continua a existir de uma forma muito informal, sem qualquer interferência das instituições oficiais coordenadoras da modalidade, ao contrário do que existe em muitos países. Seria bom que sobretudo as Associações Distritais, em coordenação com as autarquias, escolas e patrocinadores, dessem um passo decisivo para tentar a coordenação/licenciamento destas actividades para que todos estes jovens não perdessem a ligação que pontualmente vão tendo com o desporto que mais gostam. Já vi exemplos no estrangeiro que merecem ser analisados e implementados no nosso país. Caso contrário, os jovens perdem o contacto com o desporto, com uma vida activa e saudável, perdendo-se nos labirintos sem fim da internet, fechados nos seus quartos. A saúde futura dos próprios o seu equilíbrio psicológico, o desenvolvimento das suas faculdades físicas merecem a atenção dos responsáveis do futebol. Seria preferível abordar estes temas em vez das intermináveis discussões, muitas vezes sem resultados palpáveis, das assembleias federativas e associativas. Junto para reflexão duas imagens, uma da Taça Coca-Cola e outra de uma actividade análoga em Inglaterra.


Colaboração de Claude Moreira

De Pequena É Que Se Torce O Pepino



As futebolistas profissionais Rachel Yankey (do Arsenal F.C.) e Sue Smith(do Leeds United), sentadas respectivamente à esquerda e à direita da Taça F.A. 2006 (Campeonato Feminino de Futebol) fotografadas com um grupo de alunos da Danson Primary School, durante uma visita a esta escola do Sul de Londres.
A visita das duas internacionais faz parte de uma campanha da F.A. junto de vários estabelecimentos escolares na Inglaterra a fim de formalizar o futebol feminino junto das jovens adeptas e praticantes desta modalidade.
Em certas escolas primárias e clubes locais o futebol é praticado em equipes mistas de rapazes e raparigas.




Fotografia cortesia do semanário The Mercury.






Sub/19 - Torneio de Elite


Vencemos hoje a Dinamarca por 3/0 e demos um passo importante na qualificação para o europeu da categoria. Bom jogo, num estádio talismã para as selecções jovens de Portugal. Equipa com razoável qualidade, com alguns jogadores de classe acima da média, que reflectem no entanto alguns dos males dos jovens jogadores das últimas gerações, ou seja, alguma displicência quando se encontram a ganhar, manifesto individualismo e atitudes negativas de algum exagero quando confrontados com jogo duro e viril como foi o caso deste com os dinamarqueses. É tempo de os nossos treinadores fazerem os possíveis para que os jogadores não utilizem meios desnecessários para acentuar faltas dos adversários. Finalmente, uma chamada de atenção para aqueles amarelos despropositados no final da partida que poderão colocar em causa a participação no terceiro e julgamos, decisivo jogo. De certeza que Ilídio Vale tomará as medidas adequadas para evitar repetições destas situações.

sábado, maio 23, 2009

Entrada na China




Em finais de 2001, depois do sorteio do mundial, fomos, eu e o António Boronha, e a convite das entidades chinesas de Xangai, diga-se PCC, visitar esta cidade no sentido de fazermos aí o estágio para o mundial. Saímos da Coreia e à chegada a Xangai, tinhamos, à saída do avião, um carro oficial para nos levar ao hotel e às reuniões previstas. Acontece porém, que dentro de todo aquele formalismo próprio dos orientais, se esqueceram de tratar com as autoridades do aeroporto a necessária autorização e a passagem de um visto temporário. Depois de algum tempo esperando por uma solução e sem resultado final à vista, lembrámo-nos de mostrar aos polícias uma revista da FPF que tinha uma foto da Selecção Nacional e onde estávamos os dois. Dissemos então aos nossos interlocutores, este sou eu e este é aquele, apontando na foto as nossas imagens e este aqui é o Figo! Figo, Figo, gritaram os polícias com surpresa e vendo em nós, a partir daquele momento, figuras muito importantes que ladeavam o seu ídolo. Em 10 minutos já tinhamos os nossos passaportes carimbados e estávamos na cidade dentro de um veículo do Partido. Quando chegou finalmente a autorização oficial já descansávamos no hotel! Nem a burocracia do PCC resistiu á força mediática global do futebol e à imagem daquele jogador fantástico que se tornou uma figura mundial ultrapassando as fronteiras europeias.


Esta história parece uma invenção, mas é verdadeira e para quem a viveu, extraordinária. Foi uma pena não termos feito o estágio em Xangai, dado que era o local que reunia melhores condições. Mas isso é outra "estória".

Torneio da Lusofonia


Resultado do sorteio:

Futebol

Grupo 1 - Portugal, Moçambique, Timor-Leste, Guiné-Bissau
11 Julho - Portugal/Moçambique
14 Julho - Portugal/Timor-Leste
16 Julho - Portugal/Guiné-Bissau

Grupo 2 - Angola, Cabo Verde, India

Futsal

Cabeças de Série

A - Brasil
B - Portugal

Fase Preliminar

C - Angola
E - Guiné-Bissau

D - S.Tomé e Princípe
F - Timor-Leste

13 Julho - Portugal/Vencedor S.Tomé e Princípe/Timor-Leste
15 Julho - Portugal/Vencedor Angola/Guiné-Bissau
17 Julho - Portugal/Brasil

sexta-feira, maio 22, 2009

Actividades (2)


TORNEIO ELITE DA UEFA
QUALIFICAÇÃO PARA A FASE FINAL DO EURO SUB/19




23.05.2009 17H00
Estádio Municipal Rio Maior PORTUGAL ¨ DINAMARCA
Estádio Municipal Torres Novas TURQUIA ¨ GRÉCIA
25.05.2009 18H00
Estádio Municipal Cartaxo GRÉCIA ¨ PORTUGAL
Estádio Municipal Fátima TURQUIA ¨ DINAMARCA
28.05.2009 18H00
Estádio Municipal Cartaxo PORTUGAL ¨ TURQUIA
Estádio Municipal Rio Maior DINAMARCA ¨ GRÉCIA

Cristiano Ronaldo e Pinto da Costa

Pinto da Costa: «Ronaldo já tinha falhado naquela baliza a 35cm»

Pinto da Costa respondeu esta quinta-feira a Ronaldo, que há dias disse gostar muito de marcar ao F.C. Porto. Recorde-se que o extremo fez no Dragão um golaço a 35 metros da baliza que eliminou os portistas da Liga dos Campeões. «Ele diz que gosta muito de marcar golos ao F.C. Porto e eu gostava muito de o ver marcar golos pela selecção», disse o presidente do F.C. Porto.
«Infelizmente sofremos um golo a 35 metros numa baliza em que duas semanas antes ele tinha falhado um golo a 35 centímetros», adiantou, referindo-se a um jogo que Ronaldo fez no Dragão ao serviço da Selecção com a Suécia.


In: Mais Futebol





Quando a gente acha que tem todas as respostas, vem a vida e muda todas as perguntas.
Luis Fernando Verissimo

quinta-feira, maio 21, 2009

Final da Taça UEFA - 2003






Bom jogo, extraordinário ambiente na cidade e no estádio, e finalmente uma excelente vitória do futebol português, faz hoje seis anos. Quem encontrei na fila para entrar no estádio - uma hora de espera com 37 graus - foi o Bruno Alves. As voltas que o mundo dá! Referencio esta data com duas fotos do público.

Torneio de Toulon




Vamos participar mais uma vez neste prestigiado torneio. Será a nossa 24ª participação, tendo Portugal vencido o torneio por três vezes, em 1992, 2001 e 2003. Em 99 jogos, obtivemos 46 vitórias, 28 empates e 25 derrotas. Na primeira destas vitórias a Selecção foi dirigida por Jesualdo Ferreira. Este ano o treinador será Rui Caçador, que venceu a prova em 2003, aliás a nossa última vitória. Nesse torneio esteve presente, como estrela em ascenção, Cristiano Ronaldo. Menos de três meses depois estrear-se-ia na Selecção Nacional "AA". Boa presença, novas revelações, é o que se deseja para este ano. Se vier a vitória, tanto melhor!


quarta-feira, maio 20, 2009

Ferenc Puskás


Em comparação com outros jogadores da época, era considerado gordo e baixo, assim como um anão de jardim. Colocava brilhantina nos cabelos negros e penteava-os para trás. Alguns diziam que se vestia com a mesma deselegância de um balconista de bar do subúrbio, e além disso possuía os olhos gelados de um carteador de casino.
Mesmo com todas essas características que podiam fazer dele um homem comum, acabou tornando-se num dos maiores craques que o
ffutebol já conheceu. Na Selecção Húngara, que se tornou imbatível no final da década de 40 e começo da década de 50, tratavam-no por major galopante. Já na equipa do Honvéd de Budapeste, conheciam-no como o esquerda de ouro.
Começou a sua carreira de jogador profissional em 1943
num time da sua cidade chamado Kispest, quando tinha dezesseis anos. Em dois anos já estava estreando pela selecção e, em 1948 era o artilheiro da liga húngara, com cinquenta golos. Dotado de grande classe, possuía um verdadeiro canhão no pé esquerdo, um dos chutes mais fortes e precisos da história do futebol.
Os húngaros foram campeões olímpicos
em 1952 jogando um futebol do outro mundo para a época. Foi uma campanha que surpreendeu o mundo do futebol. Em cinco jogos, cinco vitórias com vinte golos marcados contra apenas um sofrido. Tocavam a bola com classe, rapidez e uma determinação de vencer que surpreendia os rivais.
A revolução de
1956 em que a Hungria se revoltou contra a ocupação soviética acabou com a selecção húngara e com o Honved. Mas Puskás sobreviveu. Sendo assim, iria jogar no Real Madrid, onde começou uma vida nova. Ao lado de outros jogadores de peso da época como
Alfredo Di Stéfano, Raymond Kopa e Francisco Gento, destacou-se com intensidade. Ganhou nove títulos nacionais e internacionais, os quais vieram a somar-se aos cinco que havia conquistado na Hungria. Foi quatro vezes artilheiro do campeonato espanhol. Naturalizado, vestiu a camisa da selecção espanhola na Taça do Mundo de 1962. Em 1954, pela selecção húngara, perdeu a final do mundial para a Alemanha, em um dos resultados mais inesperados da história das copas do mundo.
Encerrou a carreira como jogador por volta dos quarenta anos de idade. Acabou tornando-se um treinador de relativo sucesso, uma de suas melhores performances foi quando levou o
Panathinaikos, da Grécia, à final da Taça dos Campeões. Encerrou a sua carreira de técnico no começo da década de 90
.
Desde 2000
, Puskas sofria do Mal de Alzheimer, doença degenerativa que atinge o cérebro e causa perda progressiva da memória. Uma última homenagem veio em 2004, quando foi eleito o melhor jogador da Hungria dos cinquenta anos da UEFA, nos Prémios do Jubileu da entidade.

O ídolo morreu em Budapeste
, no dia 17 de Novembro de 2006, depois de ficar internado durante cerca de dois meses.

No início do ano de 1998, na reunião de escolha de datas do nosso grupo para o Euro 2000, estive num jantar, juntamente com Humberto Coelho e o Dr. Alberto Silveira, onde conhecemos pessoalmente Ferenc Puskás. A saúde desse extraordinário jogador já nessa altura me pareceu precária , mas foi de facto um enorme prazer termos falado um pouco com ele. Ao analisar-se o vídeo abaixo pode-se constatar a sua classe fora-de-série. Em Setembro deste ano jogaremos de novo em Budapeste, no estádio com o seu nome. Esperemos que o resultado seja tão bom como o que se verificou nesse ano.





video

Macau 2002


Tanta gente conhecida, tanta gente hoje separada por diversos projectos, outros até afastados directamente do futebol. Afinal como a vida corre depressa! Aqui ainda eram tudo rosas, ou melhor, expectativas num campeonato do mundo que fizesse esquecer os problemas. Adiar nunca é solução. Uma desilusão para toda a vida.

terça-feira, maio 19, 2009

Ver o jogo pela TV

Como ver um jogo pela TV

Prestar atenção à tática permite entender melhor o que acontece na partida. O técnico Parreira explica como


Assistir a uma partida de futebol sem conhecer nada de tática é como beber um vinho sem ter noções de degustação: não deixa de ser prazeroso, mas alguma coisa se perde. Não se trata de fazer um curso técnico, mas de olhar com atenção detalhes que permitem entender o que acontece em campo. Analisar a estratégia dos dois times pela televisão, porém, tem uma desvantagem: o formato da tela, que só abrange uma pequena porção do gramado. Não se vê, por exemplo, a ação dos jogadores que não estão com a bola. Esse problema diminui um pouco com a chamada transmissão em widescreen . Em todo caso, convém seguir os conselhos de alguém com conhecimento de causa – o técnico Carlos Alberto Parreira, que na maior parte do tempo é obrigado a acompanhar seus convocados a 10 000 quilômetros de distância.
"Uma das primeiras coisas que se podem ver é por qual sistema de marcação o treinador optou: se a linha de zagueiros tem três ou quatro homens; se eles têm liberdade para avançar; se a marcação é feita por zona; e se o time pressiona a saída de bola do adversário. Quando um time recupera a bola, é interessante notar se a transição para o ataque é rápida ou lenta e se os jogadores embolam o jogo pelo meio ou sabem usar os lados do campo. Tudo isso são indicações das opções táticas do treinador." Olhando esses detalhes, o telespectador já poderá saber qual time terá mais condições de criar uma jogada surpreendente.
Outros detalhes aos quais se pode prestar atenção: como ficam as posições dos jogadores depois de uma substituição; se os atacantes se deslocam (saindo da esquerda para a direita, por exemplo) para confundir os zagueiros; e se há jogadas ensaiadas, como o súbito aparecimento de um zagueiro na área do adversário. "Treinando um pouco é possível divertir-se muito mais", diz o técnico Parreira.

Veja online

Valdano sobre Romário e Maradona

Vi Jorge Valdano no “Bola da Vez” da ESPN Brasil.
Valdano foi campeão do mundo com a Argentina, em 86, no México; depois foi jogador e dirigente do Real Madrid.
Você sabe que eu não gosto em geral dos argentinos, mas como vi meus amigos Paulo Soares, Paulo Calçade, André Kfouri, o grande Sílvio Lancellotti, além de um rapaz que foi repórter da revista Placar e cujo nome me foge a memória, compondo a bancada de entrevistadores fiquei assistindo e… não me arrependi.
Valdano passa a fazer parte da minha seleta seleção de argentinos.
Entre outras coisas Valdano falou que “sem contar Maradona, Romário foi o maior jogador que vi na era mais recente. Ele foi o Maradona da grande área!”.
E aproveitou incitado por André Kfouri, para contar uma história de seus tempos de jogador da seleção argentina:
“Carlos Billardo nosso técnico na conquista da Copa de 86, vivia dizendo que o jogador para ser bom tem que só pensar na bola e acordar com ela nos pés. Um dia num jogo da seleção na Europa, Maradona saiu do quarto controlando uma bolinha de borracha, entrou no elevador sem deixar ela cair, passou pelo hall com todo mundo olhando e entrou pelo restaurante onde todos estavam tomando café. Foi aí que Billardo falou: tá vendo, por isso que o Maradona é o Maradona!”.
Michel Laurence

segunda-feira, maio 18, 2009

Onde é que eu já vi isto?

Previsível imprevisibilidade

Errante leitora, errabundo leitor, se há uma verdade, a verdade é que pelo primeiro passo não se conhece o caminho. Em outras palavras: pelo primeiro beijo não se conhece a namorada, pela primeira página não se adivinha um livro e pela primeira cena não se sabe como terminará o filme.
O que quero dizer com este primeiro parágrafo? Ora, o que estou tentando fazer é florear a óbvia conclusão de que pela primeira rodada não se conhece o campeonato. Ou seja, nada do que vimos neste fim de semana tem muita validade. Foram apenas primeiras impressões, primeiros jogos, nada mais do que isso.
Alguns times ainda estão de ressaca pelos festejos de suas conquistas, muitos ainda não se recuperaram de suas derrotas, e outros estão empenhados em competições diversas, como a Copa do Brasil e a Libertadores. Poucos entraram no Brasileiro sóbrios, firmes e concentrados. A maioria está com a cabeça no passado ou no futuro.
Olhando a tabela, vê-se que o Vitória da Bahia e o Cruzeiro são os líderes do campeonato. Mas isso não quer dizer que eles serão os campeões. Aliás, desde que o Brasileiro passou a ser disputado no sistema de pontos corridos, quem começou na liderança perdeu.
No ano passado, o Flamengo estava à frente de todos depois da primeira rodada, mas terminou na quinta posição. Em 2007, foi a vez de o Atlético Paranaense sair na pole position, mas o time terminou num modesto décimo-segundo lugar. O Grêmio não foi campeão em 2006, o Goiás não levantou a taça em 2004 e o Cruzeiro, que chegou aos 100 pontos em 2003, naquele ano começou com um reles empate em casa contra o São Caetano.
Mas o pior caso foi em 2005. Santos e Atlético-MG eram líderes depois de golearem seus adversários por 4 a 1. Porém, o Peixe acabou no meio da tabela, na décima posição, e o Galo foi pior: terminou rebaixado para a Série B.
Com os jogadores acontece exatamente a mesmo coisa. Não podemos julgá-los por estes primeiros noventa minutos. Por exemplo, Felipe está como o artilheiro do campeonato. Mas com tantos centroavantes famosos, como Ronaldo, Fred e Adriano, acho difícil que o atacante do Goiás chegue à trigésima-oitava rodada como artilheiro do torneio. Sim, eu sei, é possível que eu queime minha língua, mas é difícil.
Na parte de baixo da tabela também há inverdades. O Corinthians começou perdendo em casa, mas o time está bem composto, tem conjunto e venceu o principal torneio estadual do país. Quem duvida que irá se recuperar? O Atlético Paranaense e o Flamengo são os lanternas do Brasileiro, mas os rubro-negros ganharam seus campeonatos estaduais e o mais provável é que, apesar deste primeiro tropeço, caminhem bem na competição.
Enfim, escrevi este previsível texto para dizer que nada é previsível por enquanto, pois julgar um campeonato pela sua primeira rodada é tão absurdo quanto julgar um homem pela primeira palavra que ele diz (se bem que minha primeira palavra foi "babá" e, até hoje, quando vejo uma delas passeando pelo parque, sinto-lhe uma profunda afeição. Uma afeição pura e cândida, é claro.)
Escrito por Torero
(Texto publicado em 11 Maio na Folha de S.Paulo)

Semana de decisões

Para alguns clubes, a semana que hoje se inicia, será a de todas as decisões. Subidas, descidas, classificações de honra, para alguns, será o tudo ou nada. Estão em causa os treinadores, dirigentes e jogadores. O que se espera e deseja é que tudo decorra dentro da normalidade desportiva. Como sempre, vão surgir as mais diversas especulações e pressões. Como sempre, uns vão chorar, outros sorrir. Tudo isto, porém, são as regras do jogo. Alguém tem de ganhar e alguém tem de perder. Encarar este momento com normalidade é o que define a cultura desportiva dos povos, entre aqueles que reagem como se o mundo terminasse, usando por isso, todos os meios ao seu alcance para inverter o que desportivamente e legalmente não seria possível e os outros que aceitam com naturalidade os resultados obtidos dentro dos recintos desportivos sem usarem outras armas que não o treino e o trabalho. Estou do lado destes últimos.

domingo, maio 17, 2009

O Bicho - Jorge Costa


Conheço-o desde que foi convocado pela primeira vez para os Sub/16, já lá vão mais de vinte anos. Acompanhei a sua carreira de jogador de selecção até ao último jogo, bem triste, na Coreia. Fora do futebol é extremamente simples e discreto. Dentro do campo era o "Bicho", sem medo e com muita pouca exuberância na arte do jogo, mais prático e realista. Formou com Fernando Couto uma dupla extraordinária na Selecção Nacional. Companheiro inseparável de...Rui Costa, veja-se bem! As lutas azuis/vermelhas nunca toldaram essa muito forte amizade. Se tivesse que apostar em jogadores das gerações de Ryade e Lisboa que se viriam a tornar treinadores, nunca, mas mesmo nunca, acreditaria que o Jorge Costa seria um deles. Fez um trabalho razoável no SC Braga, tendo sido substituído, na minha opinião, injustamente. Aí está a prova da sua competência. Parabéns pelo êxito do Olhanense!

Treinadores

Movimentação de treinadores é habitual neste momento da época. Desilusões dos que não atingiram os objectivos, ambições dos que esperam atingi-los, surpresa para os que sem o desejar e esperar, são colocados na ribalta e angústia para os que aguardam o tocar do telefone com uma nova proposta. Sentimentos diferentes, mas que são no fundo a realidade de uma profissão difícil e na qual poucos, muito poucos, atingem plano de grande destaque. Começo por falar de Van Basten, extraordinário jogador, mas treinador sem grande êxito. Foi despedido do Ajax e por aquilo que dele conheci, no Mundial 06, no célebre Portugal/Holanda, e em diversas reuniões internacionais, tem uma atitude e um carácter que lhe causarão sérios problemas. Não lhe auguro grande êxito. Manuel José, pela carreira e sobretudo pelo seu passado recente, merece ter sucesso em Angola. Desejo sinceramente que obtenha o resultado que os angolanos anseiam. Rui Jorge, lançado às feras de um momento para o outro, aí está alguém que me parecer ter condições para poder atingir um lugar de maior relevo. Se conseguir articular os conhecimentos adquiridos numa carreira de jogador repleta de êxitos com a teoria vinda da sua formação de treinador e caldeando tudo isso com as qualidades humanas que o caracterizam, estou certo que rapidamente atingirá espaços de maior expressão. Finalmente Jaime Pacheco, mais uma vez não conseguiu ter sucesso, pegando num projecto elaborado por outros e sem qualquer possibilidade de êxito. Voluntarioso, acreditou ser possível alcançar um objectivo para o qual não havia suporte de qualquer espécie. Vai ter de reflectir e também, porque não, de ter um pouco mais de sorte.
Quatro exemplos, quatro histórias diferentes, quatro situações de distinto recorte mas iguais a tantas centenas de outras que no mundo do futebol, neste preciso momento, vivem com angústia ou esperança os próximos meses e a nova época que se aproxima.

Alex Ferguson




Alex Ferguson: «Foram os 90 minutos mais longos da história»



Apesar dos muitos anos de futebol dentro dos seus 67 anos de vida, Alex Ferguson sofreu durante o 0-0 com o Arsenal, que deu o 18.º título ao Manchester. O entusiasmo levou Ferguson a dizer que a sua equipa é tão boa que «até podiam ter alinhado duas», deixando de lado qualquer ideia de reforma.

«O nosso guarda-redes, van der Sar, fez uma única defesa, a cinco minutos do fim. Isso prova como ter prudência foi importante. E foram os 90 minutos mais longos da história», declarou no final da partida e das celebrações, antes de começar a pensar na final da Liga dos Campeões, dia 27, em Roma.Quanto ao número de títulos, o próximo passo é passar o Liverpool. «Vai ser engraçado quando nos encontrarmos, porque há 23 anos o Liverpool era a melhor equipa de Inglaterra. Mas eu nunca esperei ganhar 11 títulos... Quero a minha equipa continue a progredir, podemos fazê-lo, o grupo é jovem. Hoje, podia ter feito alinhar duas equipas de igual qualidade», referiu. No meio da festa, Ferguson nem quer ouvir falar em reforma: «Não está no meu horizonte, não penso nisso. Vou continuar a treinar até que a minha saúde o permita.»




Este homem é uma imagem fantástica para todos os que adoram futebol. Expressa em todos os seus actos, enorme competência, dedicação, motivação, entusiasmo permanente, realismo, confiança, mas acima de tudo uma enorme compreensão do balneário e dos jogadores. Tudo isto com 67 anos de idade. Parabéns a Ferguson, a Cristiano Ronaldo e a Nani.

sábado, maio 16, 2009

José Mourinho

INTER CAMPEÃO DE ITÁLIA

Un marziano sulla serie A

Mourinho ha preso la laurea


La parabola di successo del tecnico che ha cambiato il modo di comunicare con i media e che vince con la cura dei dettagli. Un vincente che all'Inter ha sbagliato solo qualche scelta di mercato

MILANO - Da qualunque parte lo si voglia guardare, l'avvento di Josè Mourinho è paragonabile all'atterraggio di un extraterrestre. Il pianeta in questione, la serie A, è stato conquistato prima ancora dell'ultima partita che ha consegnato lo scudetto all'Inter. Perché l'uomo di Setubal ha dato al calcio italiano una chiave di lettura diversa. Provocatoria e conflittuale, ma anche dettagliata, analitica, razionale. Mettete insieme il celebre "Io non sono un Pirla" e la cura maniacale per l'erba tagliata dai giardinieri di San Siro e otterrete una strana combinazione. Mai vista prima da queste parti. Strana, ma vincente.
PRO E CONTRO - Nessuno aveva avuto un impatto simile sui media. Ma detto che le abilità comunicative dell'uomo raggiungono vette elevatissime, forse addirittura pari a quelle tattiche, è il momento di aprire il dibattito sui meriti del tecnico che ha ereditato il gruppo (già plurititolato) di Roberto Mancini. Ecco il primo punto: se si guarda alla campagna acquisti caldeggiata (Quaresma, Amantino Mancini, Muntari) il flop è evidente. Il secondo riguarda il gioco: l'Inter alla portoghese, come quella che l'ha preceduta, non ha incantato ricalcando per larghi tratti il vecchio modulo. Con il terzo entriamo in territorio amico: non si ricorda negli ultimi anni un'operazione coraggiosa come quella che ha portato Santon a vestirsi da veterano, assicurando al calcio italiano anni di fascia destra (o sinistra) stracoperta; a ciò va aggiunta la rivalutazione del "capitale Balotelli", perso in inverno, recuperato alle soglie della Primavera e più in là. Il quarto punto, l'ultimo, è quello della dicotomia che ha scavato un solco nell'animo degli interisti: vincere in Italia uscendo quasi subito della campagna europea non corrisponde propriamente ai desiderata di inizio stagione. E da qui ripartirà la prossima missione dell'extraterrestre, che in cuor suo sogna di infilare al dito anche l'anello della Liga dopo quello tricolore e quello della Premier.
BILANCIO - Impossibile negare la laurea a un uomo che ha vinto ovunque è andato e quasi sempre al primo colpo. La sua gestione ha toccato il picco di irascibilità dopo il tracollo di Bergamo ma tutto sommato ha garantito a un gruppo di veterani l'unità necessaria a centrare l'obiettivo. Nel calcio in fondo contano i "tituli", e Mourinho ne ha messi in carniere due: la Supercoppa e lo Scudetto. Difficile dargli torto. E se alcuni tratti del suo carattere si prestano ad una duplice lettura, e c'è anche chi individua in lui luci ed ombre, indubbia è invece la sua levatura quando gli si presenta l'occasione di aiutare chi nella vita ha avuto meno fortuna di lui: se il suo impegno in Africa è noto, meno nota è la grande disponibilità mostrata in tempi recenti alla Pinetina. Quando un bambino cieco è andato a trovarlo per un saluto ed un autografo, lui lo ha voluto con sé in panchina durante la seduta di allenamento della squadra e gli ha spiegato per filo e per segno quel che succedeva in campo, trattenendo poi il giovane ospite anche a pranzo. Al suo tavolo, naturalmente.
Gazzetta dello Sport
Parabéns a José Mourinho, Luís Figo e a toda a equipa técnica portuguesa.

Favoritos


Para os coreanos, Portugal era um dos principais favoritos no Mundial 2002. Foi pena. Podíamos e devíamos ter feito melhor.
Ideia e Foto de: José Vidal