quarta-feira, junho 30, 2010

Sem dramatismos

Como muito bem disse António Boronha no seu blog. Perder com a Espanha pela diferença mínima, hoje, analisando mais a frio, acaba por reflectir uma situação perfeitamente normal entre os dois países. Podíamos ter ganho? Claro que sim. Mas perder perante um adversário deste gabarito não é desesperante. A Espanha, com experiência, rotinas adquiridas, valores individuais excelentes, com um mais vasto leque de opções, foi um vencedor justo, num jogo que sem ser belo e extraordinário, foi disputado quase sempre com correcção e entusiasmo pelas duas equipas. Encontrar fantasmas e inventar histórias, a nada leva. Convém lembrar que estivemos juntos com os melhores e que importa manter esse estatuto, nos mundiais e nos europeus. Para um futebol estruturalmente pobre, para um País com tremendas dificuldades, estar sempre, de dois em dois anos, nestes grupos restrictos dos mais fortes, é o caminho a seguir. É evidente que será importante manter viva a discussão sobre o nosso futebol, procurar soluções para nascerem mais e melhores jogadores, situar a FPF nesse envolvimento colectivo que passa necessariamente pelos clubes, e definir objectivos concretos para as selecções nacionais a curto e a médio prazo. Terminou a nossa participação no mundial e ao longo dos próximos dias muitas coisas se irão dizer e projectar, contra e a favor, deste ou daquele, mas nunca nos poderemos esquecer que perdemos com a Espanha, campeã da Europa em título. Não perdemos com Marrocos nem com a Coreia, não houve Saltillo, nem Macau, houve sim uma equipa que ontem nos foi superior. Somente.

6 comentários:

  1. Parabéns pela vossa prestação no Mundial!
    Quando se dá tudo o que se tem em prol de uma seleção só podemos ficar orgulhosos e respeitar a qualidade das outras equipas.
    De facto não tivemos muita sorte com as equipas que nos surgiram pelo caminho.
    temos todas as razões para sair do mundial de cabeça erguida pois seleções muito fortes nem conseguiram o apuramento e outras não passaram da fase de grupos sem estarem no grupo da morte...

    Obrigado pelo vosso trabalho e dedicação total

    Abraço!

    ResponderEliminar
  2. Sim... sem dramatismos!
    Pena que na hora da saída apareçam sempre os "Fantasmas" que teimam em dizer-nos que não existem!
    Como diz o velho ditado... "Yo non credo en Las Bruxas... pero...!
    Ser campeão dentro do campo, só depois de o sermos muitas vezes cá fora!
    É um orgulho ver elementos com a postura do Eduardo, p.ex! Sofrido, frustrado, etc, mas que tanto na vitória como na derrota... lembrou que são um grupo!
    Já não o posso dizer de elementos como Cristiano, Liedson e Deco com as suas polémicas.

    Agora... enquanto o Povo volta ao trabalho... façam-nos um favor... NÃO NOS ENVERGONHEM!

    ResponderEliminar
  3. A questão não é perder com Espanha. A Espanha é número 2 do mundo e nós somos 3, portanto, qualquer uma poderia ganhar.

    O dramático da coisa é a selecção número 3 do mundo apenas saber defender e ser incapaz de marcar 1 golo, em 270 minutos de jogo, à selecção número 1, à selecção número 3 e à selecção número 27.

    O saldo global, para quem partiu de Lisboa com ambições, é francamente negativo.

    Abç

    ResponderEliminar
  4. Só nos resta tentar perceber as razões dessa superioridade! Será que foi porque são de facto os jogadores espanhóis são melhores ou porque a nossa equipa não esteve bem orientada? É nisso que devemos reflectir.

    ResponderEliminar
  5. Penso que o sucesso da Selecção portuguesa no Mundial já estava condenado ao fracasso através de uma convocatória inicial inquinada. De facto, desde opções maioritariamente defensivas que encurtaram o poder ofensivo, passando por naturalizados birrentos em fim de carreira, juntou-se uma gritante falta de ambição. Ao nacionalismo bacoco de cerveja na mão, exacerbado com a goleada à pior selecção do Mundial e apoiado no histerismo da imprensa desportiva, acrescentou-se a vaidade do capitão, ameaçando imolar-se em ketchup! Bastou um tiro da armada invencível para afundar a nau Catrineta, pondo a nu os pecados da FPF, refém de interesses económicos e clubísticos, ou não tivesse esta perdido o estatuto de utilidade pública desportiva.

    http://dylans.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar